Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa
Actualidade | Jurisprudência | Legislação pesquisa:

Início  legislação  Exibe diploma

    Legislação
  DL n.º 185/2002, de 20 de Agosto
  (versão actualizada)

    Contém as seguintes alterações:     Ver versões do diploma:
   - Lei n.º 95/2019, de 04/09
   - DL n.º 111/2012, de 23/05
   - DL n.º 176/2009, de 04/08
   - DL n.º 18/2008, de 29/01
   - DL n.º 86/2003, de 26/04
- 6ª "versão" - revogado (Lei n.º 95/2019, de 04/09)
     - 5ª versão (DL n.º 111/2012, de 23/05)
     - 4ª versão (DL n.º 176/2009, de 04/08)
     - 3ª "versão" - Revogação: (DL n.º 18/2008, de 29/01)
     - 2ª versão (DL n.º 86/2003, de 26/04)
     - 1ª versão (DL n.º 185/2002, de 20/08)
Procurar no presente diploma:
A expressão exacta

Ir para o art.:
      Nº de artigos :  39      


 Ver índice sistemático do diploma Abre  janela autónoma para impressão mais amigável  Imprimir todo o diploma
SUMÁRIO
Define o regime jurídico das parcerias em saúde com gestão e financiamentos privados
- [Este diploma foi revogado pelo(a) Lei n.º 95/2019, de 04 de Setembro!]
_____________________

Decreto-Lei n.º 185/2002, de 20 de Agosto
Constitui uma das prioridades do Governo o aprofundamento das experiências inovadoras de gestão de natureza empresarial e de mobilização do investimento não público no sistema de saúde, fazendo participar crescentemente os sectores privado e social nos diferentes modelos e formas contratuais, com vista a obter uma progressiva racionalização das funções financiamento e contratação e da função prestação de cuidados de saúde.
Por outro lado, assume particular destaque para a reforma da saúde o estabelecimento, no âmbito do Serviço Nacional de Saúde, de parcerias público/privado através da concessão da gestão de unidades prestadoras de cuidados a entidades privadas ou de natureza social ou pelo investimento conjunto entre estas entidades e o Estado, segundo princípios de eficiência, responsabilização, contratualização e de demonstração de benefícios para o serviço público de saúde.
As parcerias em saúde, em regime de gestão e financiamento privados, visam, fundamentalmente, obter melhores serviços com partilha de riscos e benefícios mútuos entre as entidades públicas que têm a responsabilidade pelos serviços públicos e outras entidades que se lhe associam com carácter duradouro.
Numa área da maior importância para o bem-estar dos cidadãos como é a saúde é necessário que o estabelecimento de parcerias seja feito articuladamente e com uma perspectiva sistemática. Na verdade, não é desejável que a prossecução do serviço público de saúde com recurso a parcerias com outras entidades, em regime de gestão e financiamento privados, seja feita sem que se estabeleçam os princípios gerais a que essas actividades devem estar sujeitas. O sistema de saúde constitui um todo articulado de meios que exige um acompanhamento permanente e uma actividade global de monitorização que permita que a política de parcerias com recurso a gestão e financiamento privados seja correctamente executada.
Justifica-se, assim, genericamente, a publicação de um diploma enquadrador para o estabelecimento das parcerias em saúde, em regime de gestão e financiamento privados, nele sendo estabelecidos os princípios e os instrumentos enformadores.
Um instrumento privilegiado de estabelecimento de parcerias em saúde com recurso a gestão e financiamento privados é o contrato de gestão, o qual se encontra previsto na Lei de Bases da Saúde, aprovada pela Lei n.º 48/90, de 24 de Agosto, mas limitadamente configurado no Estatuto do Serviço Nacional de Saúde, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 11/93, de 15 de Janeiro. Na verdade, o contrato de gestão constitui um instrumento de natureza concessória que tem por referencial um estabelecimento de saúde prestador, podendo através dele o Estado associar privados na prossecução do serviço público de saúde com transferência e partilha de riscos e recurso a financiamento de outras entidades. O contrato de gestão reveste, assim, a natureza de verdadeiro contrato de concessão de serviço público, embora a sua designação pretenda clarificar que, no âmbito da saúde, o Estado mantém em maior grau a responsabilidade, designadamente porque é necessário que todos os cidadãos, sem excepção, tenham o acesso a cuidados de saúde através de um Serviço Nacional de Saúde que observe as características de generalidade e universalidade, ainda que com o concurso de outras entidades na sua gestão. O contrato de gestão constitui, por isso, a matriz dos instrumentos contratuais para o estabelecimento das parcerias, pelo que os restantes meios de as concretizar o têm por modelo.
Embora o enfoque seja dado pelas parcerias que envolvem a responsabilidade pela realização das prestações de saúde, importa não descurar outras soluções testadas internacionalmente que se limitam ao apoio indirecto do serviço público de saúde. Deste modo, o regime jurídico das parcerias equacionado por este diploma tem uma amplitude que permite acolher opções que envolvam simples participação de outras entidades no âmbito dos estabelecimentos de saúde com exclusão da responsabilidade pelas prestações de saúde e, portanto, sem transferência de risco quanto a estas. Na verdade, ainda que o estabelecimento destas parcerias já seja hoje possível e já existam na prática experiências limitadas julga-se conveniente submeter estas soluções a uma disciplina e princípios uniformes.
Por outro lado, importa frisar que todos os tipos de prestações de saúde podem ser objecto de parcerias (primários, diferenciados e continuados), cabendo a cada um dos modelos em concreto estabelecer as formas adequadas de contratação para cada situação.
A regulamentação de uma tão ampla plêiade de soluções de parcerias em saúde aconselha a que se prevejam os mecanismos que em cada momento sejam ajustados aos objectivos traçados. Por isso, estabeleceu-se um grau de densidade mínima do acto legislativo, remetendo para regulamentação posterior a definição de alguns aspectos de regime.
Assumindo o contrato de gestão a natureza de uma técnica concessória, torna-se evidente que o seu regime jurídico esteja ajustado aos traços comuns das concessões de serviço público.
O estabelecimento de parcerias com carácter sistemático impõe numa fase futura uma actividade reguladora que se reveste da maior importância numa área de tão grande sensibilidade como é a saúde, onde se pretende que sejam alcançadas melhores prestações de saúde com menores custos. Neste sentido habilita-se uma solução para definir os contornos desta actividade.
No desenvolvimento do regime jurídico estabelecido pela Lei n.º 48/90, de 24 de Agosto, e nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 198.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte:
CAPÍTULO I
Princípios gerais
  Artigo 1.º
Âmbito - [revogado - Lei n.º 95/2019, de 04 de Setembro]
O presente diploma define os princípios e os instrumentos para o estabelecimento de parcerias em saúde, em regime de gestão e financiamento privados, entre o Ministério da Saúde ou instituições e serviços integrados no Serviço Nacional de Saúde e outras entidades, nos termos do disposto no n.º 2 do artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 86/2003, de 26 de Abril.
  Contém as alterações dos seguintes diplomas:
   - DL n.º 86/2003, de 26/04
  Consultar versões anteriores deste artigo:
   -1ª versão: DL n.º 185/2002, de 20/08

  Artigo 2.º
Objecto - [revogado - Lei n.º 95/2019, de 04 de Setembro]
1 - O estabelecimento de parcerias em saúde tem por objecto a associação duradoura de entidades dos sectores privado e social à realização directa de prestações de saúde, ao nível dos cuidados de saúde primários, diferenciados e continuados, ou o apoio directo ou indirecto à sua realização no âmbito do serviço público de saúde assegurado pelo Serviço Nacional de Saúde.
2 - As parcerias em saúde envolvem uma ou mais das actividades de concepção, construção, financiamento, conservação e exploração dos estabelecimentos integrados ou a integrar no Serviço Nacional de Saúde, com transferência e partilha de riscos e recurso a financiamento de outras entidades.

  Artigo 3.º
Princípios - [revogado - Lei n.º 95/2019, de 04 de Setembro]
(Revogado.)
  Contém as alterações dos seguintes diplomas:
   - DL n.º 111/2012, de 23/05
  Consultar versões anteriores deste artigo:
   -1ª versão: DL n.º 185/2002, de 20/08

  Artigo 4.º
Procedimentos prévios à contratação - [revogado - Lei n.º 95/2019, de 04 de Setembro]
(Revogado).
  Contém as alterações dos seguintes diplomas:
   - DL n.º 86/2003, de 26/04
  Consultar versões anteriores deste artigo:
   -1ª versão: DL n.º 185/2002, de 20/08

  Artigo 5.º
Instrumentos contratuais - [revogado - Lei n.º 95/2019, de 04 de Setembro]
1 - Constituem instrumentos para o estabelecimento de parcerias em saúde com recurso a gestão e financiamento privados, entre outros, os seguintes:
a) Contrato de gestão;
b) Contrato de prestação de serviços;
c) Contrato de colaboração.
2 - As parcerias podem resultar de contratos mistos ou de união de contratos, independentemente da classificação orçamental da despesa.

  Artigo 6.º
Mobilidade - [revogado - Lei n.º 95/2019, de 04 de Setembro]
(Revogado.)
  Contém as alterações dos seguintes diplomas:
   - DL n.º 176/2009, de 04/08
   - DL n.º 111/2012, de 23/05
  Consultar versões anteriores deste artigo:
   -1ª versão: DL n.º 185/2002, de 20/08
   -2ª versão: DL n.º 176/2009, de 04/08

  Artigo 7.º
Activos patrimoniais - [revogado - Lei n.º 95/2019, de 04 de Setembro]
(Revogado.)
  Contém as alterações dos seguintes diplomas:
   - DL n.º 111/2012, de 23/05
  Consultar versões anteriores deste artigo:
   -1ª versão: DL n.º 185/2002, de 20/08

CAPÍTULO II
Contrato de gestão
SECÇÃO I
Disposições gerais
  Artigo 8.º
Objecto - [revogado - Lei n.º 95/2019, de 04 de Setembro]
1 - O contrato de gestão tem por objecto principal assegurar as prestações de saúde promotoras, preventivas ou terapêuticas, correspondentes ao serviço público de saúde através de um estabelecimento de saúde, ou parte funcionalmente autónoma, integrado ou a integrar no Serviço Nacional de Saúde.
2 - O contrato de gestão pode ainda ter por objecto a concepção, construção, financiamento, conservação e exploração do estabelecimento, ou de parte funcionalmente autónoma.
3 - As partes no contrato de gestão são a entidade pública contratante e a entidade gestora.
4 - A entidade pública contratante é o Estado ou qualquer outra pessoa colectiva pertencente ao Ministério da Saúde ou integrada no Serviço Nacional de Saúde.

  Artigo 9.º
Integração no Serviço Nacional de Saúde - [revogado - Lei n.º 95/2019, de 04 de Setembro]
1 - A entidade gestora deve assegurar as prestações de saúde nos termos dos demais estabelecimentos que integram o Serviço Nacional de Saúde.
2 - O estabelecimento afecto ao contrato de gestão deve garantir, nomeadamente, a aplicação do regime disposto em diplomas que definam o regime legal de carreira de profissões da saúde, bem como a continuidade dos cuidados de saúde e o acesso dos utentes do Serviço Nacional de Saúde, de acordo com a articulação definida e as responsabilidades que lhe estão atribuídas.
3 - O contrato de gestão fixa as obrigações da entidade gestora para efeitos dos números anteriores.
4 - O contrato de gestão deve, ainda, regular as actividades acessórias que a entidade gestora pode prosseguir, bem como a possibilidade de utilizar o estabelecimento para a realização de prestações de saúde fora do âmbito do serviço público que assegura, desde que esta utilização se faça, comprovadamente, sem prejuízo das obrigações de serviço público.
  Contém as alterações dos seguintes diplomas:
   - DL n.º 176/2009, de 04/08
  Consultar versões anteriores deste artigo:
   -1ª versão: DL n.º 185/2002, de 20/08

  Artigo 10.º
Entidade gestora - [revogado - Lei n.º 95/2019, de 04 de Setembro]
1 - A entidade gestora deve oferecer garantias de idoneidade, qualificação técnica e capacidade financeira que satisfaçam os requisitos que forem fixados no programa do procedimento prévio à contratação.
2 - A entidade gestora deve ser uma sociedade comercial com sede e administração principal localizadas em Portugal e cujo objecto exclusivo deve ser o exercício da actividade a conceder.

  Artigo 11.º
Prazo - [revogado - Lei n.º 95/2019, de 04 de Setembro]
(Revogado.)
  Contém as alterações dos seguintes diplomas:
   - DL n.º 111/2012, de 23/05
  Consultar versões anteriores deste artigo:
   -1ª versão: DL n.º 185/2002, de 20/08

  Artigo 12.º
Competências do Ministro da Saúde - [revogado - Lei n.º 95/2019, de 04 de Setembro]
(Revogado.)
  Contém as alterações dos seguintes diplomas:
   - DL n.º 86/2003, de 26/04
   - DL n.º 111/2012, de 23/05
  Consultar versões anteriores deste artigo:
   -1ª versão: DL n.º 185/2002, de 20/08
   -2ª versão: DL n.º 86/2003, de 26/04

  Artigo 13.º
Procedimento prévio à contratação - [revogado - Lei n.º 95/2019, de 04 de Setembro]
(Revogado.)
  Contém as alterações dos seguintes diplomas:
   - DL n.º 111/2012, de 23/05
  Consultar versões anteriores deste artigo:
   -1ª versão: DL n.º 185/2002, de 20/08

  Artigo 14.º
Programa do procedimento e caderno de encargos - [revogado - Lei n.º 95/2019, de 04 de Setembro]
(Revogado).
  Contém as alterações dos seguintes diplomas:
   - DL n.º 18/2008, de 29/01
  Consultar versões anteriores deste artigo:
   -1ª versão: DL n.º 185/2002, de 20/08

SECÇÃO II
Direitos e deveres dos contratantes
  Artigo 15.º
Poderes da entidade pública contratante - [revogado - Lei n.º 95/2019, de 04 de Setembro]
(Revogado).
  Contém as alterações dos seguintes diplomas:
   - DL n.º 18/2008, de 29/01
  Consultar versões anteriores deste artigo:
   -1ª versão: DL n.º 185/2002, de 20/08

  Artigo 16.º
Deveres da entidade gestora - [revogado - Lei n.º 95/2019, de 04 de Setembro]
(Revogado).
  Contém as alterações dos seguintes diplomas:
   - DL n.º 18/2008, de 29/01
  Consultar versões anteriores deste artigo:
   -1ª versão: DL n.º 185/2002, de 20/08

  Artigo 17.º
Direitos especiais da entidade gestora - [revogado - Lei n.º 95/2019, de 04 de Setembro]
(Revogado).
  Contém as alterações dos seguintes diplomas:
   - DL n.º 18/2008, de 29/01
  Consultar versões anteriores deste artigo:
   -1ª versão: DL n.º 185/2002, de 20/08

  Artigo 18.º
Remuneração da entidade gestora - [revogado - Lei n.º 95/2019, de 04 de Setembro]
(Revogado.)
  Contém as alterações dos seguintes diplomas:
   - DL n.º 86/2003, de 26/04
   - DL n.º 111/2012, de 23/05
  Consultar versões anteriores deste artigo:
   -1ª versão: DL n.º 185/2002, de 20/08
   -2ª versão: DL n.º 86/2003, de 26/04

  Artigo 19.º
Outras formas de remuneração da entidade gestora - [revogado - Lei n.º 95/2019, de 04 de Setembro]
1 - O contrato de gestão define as receitas que são consideradas remuneração da entidade gestora, designadamente as resultantes de prestações a terceiros no âmbito de actividades acessórias ou de serviços não previstos para a generalidade dos utentes.
2 - A entidade gestora pode cobrar as prestações de saúde realizadas directamente aos subsistemas de saúde ou outras entidades, públicas ou privadas, responsáveis, legal ou contratualmente, nos termos dos demais estabelecimentos do SNS.
3 – (Revogado).
  Contém as alterações dos seguintes diplomas:
   - DL n.º 111/2012, de 23/05
  Consultar versões anteriores deste artigo:
   -1ª versão: DL n.º 185/2002, de 20/08

  Artigo 20.º
Amortizações e reintegrações - [revogado - Lei n.º 95/2019, de 04 de Setembro]
(Revogado.)
  Contém as alterações dos seguintes diplomas:
   - DL n.º 111/2012, de 23/05
  Consultar versões anteriores deste artigo:
   -1ª versão: DL n.º 185/2002, de 20/08

  Artigo 21.º
Acompanhamento e fiscalização - [revogado - Lei n.º 95/2019, de 04 de Setembro]
(Revogado.)
  Contém as alterações dos seguintes diplomas:
   - DL n.º 111/2012, de 23/05
  Consultar versões anteriores deste artigo:
   -1ª versão: DL n.º 185/2002, de 20/08

  Artigo 22.º
Financiamento - [revogado - Lei n.º 95/2019, de 04 de Setembro]
(Revogado.)
  Contém as alterações dos seguintes diplomas:
   - DL n.º 111/2012, de 23/05
  Consultar versões anteriores deste artigo:
   -1ª versão: DL n.º 185/2002, de 20/08

  Artigo 23.º
Expropriações por utilidade pública - [revogado - Lei n.º 95/2019, de 04 de Setembro]
(Revogado.)
  Contém as alterações dos seguintes diplomas:
   - DL n.º 111/2012, de 23/05
  Consultar versões anteriores deste artigo:
   -1ª versão: DL n.º 185/2002, de 20/08

SECÇÃO III
Modificações do contrato
  Artigo 24.º
Modificações objectivas - [revogado - Lei n.º 95/2019, de 04 de Setembro]
(Revogado).
  Contém as alterações dos seguintes diplomas:
   - DL n.º 18/2008, de 29/01
  Consultar versões anteriores deste artigo:
   -1ª versão: DL n.º 185/2002, de 20/08

  Artigo 25.º
Modificações subjectivas e subcontratação - [revogado - Lei n.º 95/2019, de 04 de Setembro]
(Revogado).
  Contém as alterações dos seguintes diplomas:
   - DL n.º 18/2008, de 29/01
  Consultar versões anteriores deste artigo:
   -1ª versão: DL n.º 185/2002, de 20/08

SECÇÃO IV
Não cumprimento e extinção
  Artigo 26.º
Multas - [revogado - Lei n.º 95/2019, de 04 de Setembro]
(Revogado).
  Contém as alterações dos seguintes diplomas:
   - DL n.º 18/2008, de 29/01
  Consultar versões anteriores deste artigo:
   -1ª versão: DL n.º 185/2002, de 20/08

  Artigo 27.º
Sequestro - [revogado - Lei n.º 95/2019, de 04 de Setembro]
(Revogado).
  Contém as alterações dos seguintes diplomas:
   - DL n.º 18/2008, de 29/01
  Consultar versões anteriores deste artigo:
   -1ª versão: DL n.º 185/2002, de 20/08

  Artigo 28.º
Extinção - [revogado - Lei n.º 95/2019, de 04 de Setembro]
(Revogado).
  Contém as alterações dos seguintes diplomas:
   - DL n.º 18/2008, de 29/01
  Consultar versões anteriores deste artigo:
   -1ª versão: DL n.º 185/2002, de 20/08

  Artigo 29.º
Resgate - [revogado - Lei n.º 95/2019, de 04 de Setembro]
(Revogado).
  Contém as alterações dos seguintes diplomas:
   - DL n.º 18/2008, de 29/01
  Consultar versões anteriores deste artigo:
   -1ª versão: DL n.º 185/2002, de 20/08

  Artigo 30.º
Rescisão por razões de interesse público - [revogado - Lei n.º 95/2019, de 04 de Setembro]
(Revogado).
  Contém as alterações dos seguintes diplomas:
   - DL n.º 18/2008, de 29/01
  Consultar versões anteriores deste artigo:
   -1ª versão: DL n.º 185/2002, de 20/08

  Artigo 31.º
Rescisão por incumprimento contratual - [revogado - Lei n.º 95/2019, de 04 de Setembro]
(Revogado).
  Contém as alterações dos seguintes diplomas:
   - DL n.º 18/2008, de 29/01
  Consultar versões anteriores deste artigo:
   -1ª versão: DL n.º 185/2002, de 20/08

  Artigo 32.º
Reversão dos bens - [revogado - Lei n.º 95/2019, de 04 de Setembro]
(Revogado.)
  Contém as alterações dos seguintes diplomas:
   - DL n.º 111/2012, de 23/05
  Consultar versões anteriores deste artigo:
   -1ª versão: DL n.º 185/2002, de 20/08

  Artigo 33.º
Resolução de conflitos - [revogado - Lei n.º 95/2019, de 04 de Setembro]
(Revogado.)
  Contém as alterações dos seguintes diplomas:
   - DL n.º 111/2012, de 23/05
  Consultar versões anteriores deste artigo:
   -1ª versão: DL n.º 185/2002, de 20/08

CAPÍTULO III
Outros instrumentos contratuais
  Artigo 34.º
Remissão - [revogado - Lei n.º 95/2019, de 04 de Setembro]
Os demais instrumentos contratuais previstos no artigo 5.º devem respeitar, com as necessárias adaptações, os princípios dos artigos 10.º a 12.º e 15.º a 33.º

  Artigo 35.º
Contrato de prestação de serviços - [revogado - Lei n.º 95/2019, de 04 de Setembro]
1 - São contratos de prestação de serviços, no âmbito das parcerias em saúde, aqueles em que o co-contratante da Administração realiza uma actividade de apoio à realização de prestações de saúde no âmbito de um estabelecimento de saúde.
2 - Os contratos de prestação de serviços podem ter por objecto uma ou mais das actividades referidas no n.º 2 do artigo 2.º
3 - O procedimento prévio rege-se pelo disposto para a contratação pública em matéria de aquisição de bens e serviços ou de empreitadas de obras públicas consoante a componente de maior expressão financeira, sem prejuízo da possibilidade de aplicação do disposto no n.º 2 do artigo 13.º
4 – (Revogado).
  Contém as alterações dos seguintes diplomas:
   - DL n.º 111/2012, de 23/05
  Consultar versões anteriores deste artigo:
   -1ª versão: DL n.º 185/2002, de 20/08

  Artigo 36.º
Contrato de colaboração - [revogado - Lei n.º 95/2019, de 04 de Setembro]
Podem ser integrados no Serviço Nacional de Saúde mediante contrato de colaboração os estabelecimentos de saúde pertencentes a outras entidades, aplicando-se, com as necessárias adaptações, o disposto para o contrato de gestão.

CAPÍTULO IV
Disposições finais e transitórias
  Artigo 37.º
Actividade reguladora - [revogado - Lei n.º 95/2019, de 04 de Setembro]
(Revogado.)
  Contém as alterações dos seguintes diplomas:
   - DL n.º 111/2012, de 23/05
  Consultar versões anteriores deste artigo:
   -1ª versão: DL n.º 185/2002, de 20/08

  Artigo 38.º
Aquisição de bens e contratação de serviços - [revogado - Lei n.º 95/2019, de 04 de Setembro]
(Revogado.)
  Contém as alterações dos seguintes diplomas:
   - DL n.º 111/2012, de 23/05
  Consultar versões anteriores deste artigo:
   -1ª versão: DL n.º 185/2002, de 20/08

  Artigo 39.º
Revogação - [revogado - Lei n.º 95/2019, de 04 de Setembro]
É revogado o disposto nos artigos 28.º a 31.º do Estatuto do Serviço Nacional de Saúde, aprovado pelo Decreto-Lei nº 11/93, de 15 de Janeiro, na parte referente ao contrato de gestão.

Visto e aprovado em Conselho de Ministros de 4 de Julho de 2002. - José Manuel Durão Barroso - Maria Manuela Dias Ferreira Leite - Luís Filipe Pereira.
Promulgado em 29 de Julho de 2002.
Publique-se.
O Presidente da República, JORGE SAMPAIO.
Referendado em 5 de Agosto de 2002.
O Primeiro-Ministro, José Manuel Durão Barroso.

Páginas:    
   Contactos      Índice      Links      Direitos      Privacidade  Copyright© 2001-2019 Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa