Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa
Actualidade | Jurisprudência | Legislação pesquisa:


    Jurisprudência da Relação Criminal
Assunto    Área   Frase
Processo   Sec.                     Ver todos
 - ACRL de 12-04-2018   Jogos de fortuna ou azar. Crime de exploração ilícita de jogo falsificação. Contra-ordenação.
1. Devem ser considerados jogos de fortuna ou azar apenas aqueles cuja exploração nos termos dos arts. 1.º e 4.º da actual redacção do DL. 422/98, de 02/12, é autorizada nos casinos.
2. Todas as modalidades de jogo que não correspondam às características descritas, especificadas nos referidos arts. 1.º e 4.º daquele diploma legal, embora os seus resultados dependam exclusiva ou fundamentalmente da sorte, revertem para as modalidades afins.
3. A detenção simultânea pelo mesmo agente de uma máquina de jogo classificada como de fortuna ou azar e de uma máquina classificada de afim é susceptível de um único juízo de censura e os factos integram o crime de exploração ilícita de jogo como ilícito mais grave.
Proc. 91/16.2ZCLSB.L1 9ª Secção
Desembargadores:  Fernando Correia Estrela - Calheiros da Gama - -
Sumário elaborado por Ana Paula Vitorino
_______
Proc.° n.° 91/16.2ECLSB.L1 9.a Secção
Acordam na 9.ª Secção do Tribunal da Relação de Lisboa:
I - No Proc.° n.° 91/16.2ECLSB, da Comarca de Lisboa, Juízo Local Criminal do Seixal, Juiz 2, por sentença de 29 de Setembro de 2017, foi decidido julgar a acusação deduzida pelo Ministério Público contra o arguido L..., parcialmente procedente por parcialmente provada e consequentemente:
a. Absolver o arguido da prática do crime de exploração ilícita de jogo, p. e p. pelo art.° 108° do Decreto-Lei n° 422/89 de 19/01, com a redacção introduzida pelo Decreto-Lei n° 10/95 de 19/01, com referência aos artigos 4°/1 al. g) do mesmo diploma legal, que lhe era imputado.
b. Condenar o arguido pela prática da contra-ordenação p.p. pelos artigos 161° e 163° do Decreto-Lei n.° 422/89 de 19/01 na coima de EUR. 500,00 (quinhentos euros).
II - Inconformado, o Ministério Público na 1.a instância interpôs recurso, formulando as seguintes conclusões:
1) O presente recurso é circunscrito a matéria de direito.
2) Não se concorda com a qualificação jurídica operada no que tange à máquina Spin Dreams de condenar o arguido pela prática da contra-ordenação p.p. pelos artigos 161° e 163° do Decreto-Lei n.° 422/89 de 19/01 na coima de EUR. 500,00 (quinhentos euros) e tendo-o absolvido prática do crime de exploração ilícita de jogo, p.p. pelo art° 108° do Decreto-Lei n° 422/89 de 19/01, com a redacção introduzida pelo Decreto-Lei n° 10/95 de 19/01, com referência aos artigos 4°/1 al. g) do mesmo diploma legal, que lhe era imputado, em face da factualidade dada como assente.
3) Foram violadas as seguintes regras: art.l°, 3°, 4°, n° 1, al. g), 108°, n.° 1 e 2 do Dec.-Lei n.° 422/89, de 2 de Dezembro, na redacção actualmente em vigor e Acórdão de Uniformização de Jurisprudência n.° 4/2010, de 8 de Março e a máquina em causa deveria ser qualificada como máquina de fortuna ou azar de acordo com os mencionados preceitos legais.
4) Não se pretende, neste recurso, requerer a realização de audiência, em face da matéria controvertida, nos termos e para os efeitos do art. 411°, n.° 5 do CPP.
5) A sentença recorrida deve ser revogada nos moldes fixados neste recurso.
Deve assim conceder-se procedência ao presente recurso e, consequentemente, revogar-se a decisão recorrida, na parte em que dela se recorre, fazendo-se a costumada Justiça.
III - O Arguido L... não respondeu ao recurso.
IV- Transcreve-se a decisão recorrida.
RELATÓRIO
O Ministério Público acusou para julgamento em processo comum, com intervenção do tribunal singular, o arguido:
L..., casado, comerciante, nascido a 11.12.1972,...,
Imputando-se-lhe os factos constantes descritos na acusação de fls. 139 e ss - a qual se dá aqui por integralmente reproduzida - e que consubstancia a prática pelo arguido de um crime de exploração ilícita de jogo, p. e p. nos termos do n.° 1, do art. 108°, do D.L. n.° 422/89 de 2 de Dezembro (com as alterações introduzidas pelo D.L.° n.° 10/95 de 19 de Janeiro e pelo D.L. n.° 40/2005, de 17 de Fevereiro), atento o preceituado nos art.°s 1° a 4°, do mesmo diploma legal, em concurso aparente, por consunção, com uma contra-ordenação de exploração de modalidade afim de jogo de fortuna ou azar, por entidade com fins lucrativos, p. e p. pelo art. 163°, n.° 1, por referência ao art. 161°, n.° 1, ambos do referido decreto-lei.
(...)
II - FUNDAMENTAÇÃO
A) FUNDAMENTAÇÃO DE FACTO
FACTOS PROVADOS
Discutida a causa, resultaram provados os seguintes factos com interesse para a decisão:
Da Acusação
1. No dia 20 de abril de 2016, cerca das 14H00, no interior do estabelecimento denominado Bar do Centro Cultural e Desportivo do P..., sito na R..., n.° 2, em P... - Corroios, explorado pelo arguido L..., encontravam-se as seguintes máquinas:
a. A) Em cima do balcão, ligada à corrente, uma máquina tipo portátil, de ora em diante designada de máquina 1, com estrutura em madeira e parte frontal em vidro acrílico, com os dizeres Spin Dreams, com um mostrador circular, com oito pontos (Led's) com os números 1, 2, 5, 10, 20, 50, 100 e 200.
b. A máquina 1, que consistia num jogo, funcionava com a introdução pelos jogadores de uma moeda ou nota nas ranhuras existentes na parte lateral direita, sendo creditados um determinado número de pontos.
c. Após a introdução da importância monetária um pequeno ponto luminoso vermelho, de forma automática, e no sentido contrário aos ponteiros de um relógio, começava a percorrer a linha do mostrador circular, acabando por parar aleatoriamente.
d. Ao parar podia ocorrer uma de duas situações:
e. Se o ponto luminoso parasse num dos oito pontos numerados, o jogador ganhava os pontos correspondentes, que podiam oscilar entre 1 e 200, os quais podia utilizar para exercer uma nova jogada ou convertê-los em dinheiro, à razão de 1,00€ (um euro) por cada ponto;
f. Se o ponto luminoso parasse fora dos pontos numerados, o jogador não tinha direito a qualquer prémio, restando-lhe a hipótese de tentar novamente a sua sorte, para o que teria de introduzir novas moedas ou notas.
g. Entretanto, procedeu-se a abertura desta máquina, encontrando-se no seu interior, em notas e moedas, a importância de 96,50€ (noventa e seis euros e cinquenta cêntimos).
2. B) Em cima do balcão, ao lado da máquina 1, encontrava-se ainda uma máquina vulgarmente designada de extratora de cápsulas, de ora em diante designada de máquina 2, com estrutura superior em fibra de vidro acrílico e parte inferior de cor amarela, com diversas cápsulas no seu interior, acompanhada de um cartaz em cartão, que se encontrava em cima de um frigorífico que se encontrava próximo do balão, cartaz esse com a designação O Mágico.
3. A referida máquina 2 funcionava com a introdução pelo jogador de uma moeda no mecanismo de introdução de moedas.
4. Em seguida, rodava o manípulo até ao ponto de bloqueamento, recebendo, nesse momento, uma cápsula em plástico, no interior da qual se encontravam três senhas dobradas, senhas essas que continham ao cimo a identificação da série e um número com quatro dígitos na base.
5. Depois o jogador desdobrava as senhas e confrontava os números que se encontravam nas mesmas com os números existentes no referido cartaz.
6. Nessa altura, podia acontecer uma das seguintes situações:
7. Os números das senhas não coincidiam com qualquer dos números constantes do cartaz, e o jogador não tinha direito a qualquer prémio, restando-lhe apenas, querendo obter um prémio, tentar novamente a sua sorte, para o que teria de introduzir uma nova moeda na máquina extratora.
8. Se o jogador tivesse a sorte de lhe sair uma senha cujo número era igual a um dos constantes do cartaz, raspava a película superior onde se encontrava inscrito o número, ficando a descoberto um outro número, o qual correspondia ao prémio monetário ganho pelo jogador, o qual ia de 2, correspondente a dois euros, a 80, correspondente a oitenta euros.
9. Entretanto, também se procedeu à abertura desta máquina, encontrando-se no seu interior, em numerário, a importância de 19,00€ (dezanove euros).
10. As referidas máquinas de jogo foram colocadas no estabelecimento denominado Bar do Centro Cultural e Desportivo do P... em data e circunstâncias não concretamente apuradas.
11. Cabia ao arguido L... resolver todas as situações relacionadas com as referidas máquinas, nomeadamente, proceder ao pagamento dos prémios que atribuíssem, retirar o dinheiro que tivesse sido colocado nelas pelos jogadores e ficar, pelo menos, com uma percentagem desse dinheiro.
12. O arguido L... sabia que não tinha autorização para ter aquele tipo de máquinas de jogo no seu estabelecimento, tal como sabia que estava proibido de tirar rendimentos com as mesmas.
13. Apesar disso, quis ter expostas no referido estabelecimento tais máquinas de jogo e obter, por esse meio, rendimentos, o que efetivamente conseguiu.
14. Agiu de forma livre, voluntária e consciente, bem sabendo que a sua conduta não era permitida e era punida por lei.
Mais se provou que:
15. O arguido não tem antecedentes criminais registados;
16. Vive com a mulher e filhos de 18 e 20 anos; despende EUR. 100,00 mensais em propinas universitárias; ganha EUR. 700,00 e a mulher EUR. 500,00; despendem EUR. 500,00 com renda da habitação; (...)
FUNDAMENTAÇÃO DE DIREITO
Atentos os factos provados, cumpre proceder ao seu enquadramento jurídico-penal.
- Do crime de exploração ilícita de jogo
Ao arguido é imputada a prática, em co-autoria material e na forma consumada, de um crime de exploração ilícita de jogo, previsto e punido pelo art.° 108.°, n.° 1 e 115° do Decreto-Lei n.° 422/89, de 2 de Dezembro, na redacção introduzida pelo Decreto-Lei n° 422/89 de 19/01, com referência aos artigos 4°/1 al. g) do mesmo diploma.
O bem jurídico tutelado com a incriminação é o direito de exploração de jogos de fortuna ou de azar que pertence em exclusivo ao Estado e só pode ser exercido em zonas de jogo estabelecidas mediante concessão.
Dispõe o artigo 108.° quanto ao crime de exploração ilícita de jogo:
1- Quem, por qualquer forma, fizer a exploração de jogos de fortuna ou de azar fora dos locais legalmente autorizados será punido com prisão até 2 anos e multa até 200 dias.
2- Será punido com a pena prevista no número anterior quem for encarregado da direcção do jogo, mesmo que a não exerça habitualmente, bem como os administradores, directores, gerentes e agentes da entidade exploradora.
Constituem elementos objectivos do tipo de crime previsto no art.° 108°, em primeiro lugar, a exploração de jogos de fortuna ou de azar; em segundo lugar, fora dos locais legalmente autorizados.
Quanto ao tipo subjectivo, trata-se de um crime doloso, que admite o dolo em qualquer uma das suas formas (art.° 14° do Código Penal).
Para a qualificação jurídica da conduta do arguido é indispensável, desde logo, explicitar o conceito de jogo de fortuna e azar que constitui objecto da actividade proibida.
A propósito, refere o art. 1.° Jogos de fortuna e azar são aqueles cujo resultado é contingente por assentar exclusiva ou fundamentalmente na sorte.
E o art.° 3°/1: A exploração e a prática de jogos de fortuna ou azar só são permitidas nos casinos existentes em zonas de jogo permanente ou temporárias criadas por Decreto-Lei ou fora daqueles, nos casos excepcionados nos artigos 6° a 8° (sendo que o caso dos autos não se enquadra em qualquer uma destas duas previsões).
Por seu turno o art. 4°, n.° 1, al. g) estabelece que Nos casinos é autorizada a exploração, nomeadamente, (...) jogos em máquinas que, não pagando directamente prémios em fichas ou moedas, desenvolvem temas próprios dos jogos de fortuna ou de azar ou apresentem como resultado pontuações dependentes exclusiva ou fundamentalmente da sorte.
Como dispõe o art. 3.0, n.°1, a exploração e a prática dos jogos de fortuna ou de azar só é permitido nos casinos existentes em zonas de jogo permanente ou excepcionalmente nos casos previstos por lei.
Os jogos em máquinas só estão autorizados a funcionar em casinos:
1- Nos casinos é autorizada a exploração, nomeadamente, dos seguintes tipos de jogos de fortuna e azar:
(…)
g) Jogos em máquinas que, não pagando directamente prémios em fichas ou moedas, desenvolvam temas próprios dos jogos de fortuna ou azar ou apresentem como resultado pontuações dependentes exclusiva ou fundamentalmente da sorte.
Explorar o jogo traduz-se em proporcionar onerosamente a terceiros aquela actividade e dela retirar proventos económicos.
O artigo 159.°, n.°1 define ainda como modalidades afins de jogos de fortuna e de azar as operações oferecidas ao público em que a esperança de ganho reside conjuntamente na sorte e perícia do jogador, ou somente na sorte, e que atribuem como prémio coisas com valor económico . E no n° 2: São abrangidos pelo disposto no número anterior, nomeadamente, rifas, tômbolas, sorteios, concursos publicitários, concursos de conhecimentos e passatempos.
Esta modalidade de comportamento é punida como ilícito de mera ordenação social (150.°, 160.°)
Na ausência de um qualquer distinção material entre os dois conceitos, o Tribunal da Relação de Lisboa (Ac, RL 7610/2005-3, in www.dgsi.pt) defende que o critério de distinção entre jogos de fortuna e azar e as modalidades afins deve ser formal, sendo considerado jogo de fortuna e azar apenas aqueles cuja exploração, nos termos dos n°s 1 e 3 do art. 4.° do D.L. 422/89, de 2 de Dezembro, é autorizada nos casinos.
A questão tem sido debatida na jurisprudência, sendo certo que a letra da lei não esclarece totalmente o conceito de modalidade afim.
Vários critérios de distinção têm sido usados: o caracter totalmente aleatório do resultado, a natureza pecuniária dos prémios atribuídos, o tipo de operações oferecidas ao publico (sendo que as modalidades afins são promovidas directamente junto do publico enquanto o jogo de fortuna ou azar só poder ser exercido em estabelecimentos pré-determinados), a predeterminação do premio atribuído, a temática do jogo, a natureza dos prémios
Como se refere no AUJ 4/2010, DR, I, n° 46, de 8 de Março e 2010 a tutela penal adstrita à proibição dos jogos de fortuna ou azar fora dos locais autorizados encontra fundamento, como se viu, em valores de relevante ressonância ético-social, nomeadamente pelos efeitos devastadores a nível social, familiar, económico e laboral, com incremento de criminalidade grave, não só de carácter patrimonial, mas também de carácter pessoal (vida, integridade física, ameaça, coacção) que a dependência de jogos de grande poder aditivo e potenciação de descontrole pode acarretar. Tal não sucede relativamente aos jogos em máquinas automáticas que funcionam como espécies de rifas ou tômbolas mecânicas, em que o que se arrisca assume dimensão pouco significativa, pois a expectativa é limitada ou predefinida e o impulso para o jogo tem de ser renovado em cada operação, ao contrário do que sucede com os jogos de casino, mesmo em máquinas, possibilitando uma série praticamente ilimitada de jogadas, numa espécie de encadeamento mecânico e compulsivo, em que o jogador corre o risco de se envolver emocionalmente».
Constituirá a atribuição de prémios em dinheiro, ainda que não directamente através da máquina, condição sine qua non para a qualificação do jogo como de fortuna ou azar? Segundo o Ac. Rel. Coimbra de 02.02.2011 ao apelar à atribuição de prémios em dinheiro, imediatamente ou através da substituição de fichas ou pontos, a ideia que está na base dos termos utilizados tem a ver com o acréscimo de compulsividade que a atribuição de fichas e de pontos confere ao jogo, o mesmo acontecendo com as moedas. Com efeito, quer as moedas quer as fichas podem ser imediatamente utilizadas para que o jogador continue indefinidamente o jogo, funcionando a atribuição de pontuações que se vão somando do mesmo modo. Mas tal ocorre porque o que caracteriza tais jogos, embora a lei não o diga, é a natureza indefinida do prémio e a possibilidade de num percurso intermédio o jogador perder tudo o que havia ganho. Já nas modalidades afins a que alude o art° 159.° da Lei do Jogo, tal não acontece. Na verdade, nas rifas, tômbolas, sorteios, concursos publicitários, concursos de conhecimentos e passatempos, a determinação prévia do prémio a que o jogador se pode habilitar gera um elemento de compulsividade menor. Daí que, de acordo com o citado aresto, nenhum jogo que tenha os prémios previamente definidos, ainda que atribua prémios em dinheiro ou desenvolva temas de jogos de fortuna ou azar, integra a classificação de jogos de fortuna ou azar e pode a sua exploração constituir crime. Também no Ac. Rel. Évora de 31.05.2011 se entendeu que o que caracteriza as modalidades afins e as distingue dos jogos de fortuna ou azar é a premeditação do respectivo prémio, a que acresce a pequena dimensão daquilo que o jogador arrisca, que até pode ser pura e simplesmente insignificante.
Ora, começando por delimitar negativamente o tipo de crime nunca merecerá a qualificação de crime a exploração de jogos que se enquadram num mecanismo em que os prémios se encontram previamente definidos.
É esse o caso dos autos já que dos factos provados decorre que no início do jogo a maquina spin dreams apresentam no ecrã os prémios que estão pré definidos.
Como se refere no Ac. TRC de 02/02/2011, o artigo 161° estabelece proibições em relação às modalidades afins no seu n° 3, quais sejam as de estes não poderem desenvolver temas de jogos de fortuna ou azar nem substituir por dinheiro ou fichas os prémios atribuídos. Continuando a delimitar negativamente o tipo de crime, porque às modalidades afins que atribuam prémios em dinheiro ou fichas a lei não deixa de designar como modalidades afins, a sua exploração ilícita constitui contra-ordenação, como se prevê no artigo 163°, o que afinal só pode significar que nenhum jogo que tenha os prémios previamente definidos, ainda que atribua prémios em dinheiro ou desenvolva temas de jogos de fortuna ou azar, integra a classificação de jogos de fortuna ou azar e pode a sua exploração constituir crime. E cremos ser esta a tese que está imanente ao acórdão de fixação de jurisprudência e que importa considerar até em obediência ao princípio da igualdade plasmado no artigo 13° da Constituição da República.
Como se refere no Ac. TRP de 11/12/13 em que estava em causa uma maquina de características idênticas quanto ao modo de funcionamento: o funcionamento desse aparelho, enquanto jogo de fortuna ou azar, deverá corresponder a um ato de jogar fundamentalmente dependente da sorte, em que existe uma total indefinição e desproporção entre aquilo que se arrisca e o resultado que se pode vir a obter (prémio).
No que concerne ao prémio a atribuir, este deverá corresponder a moedas ou a fichas que possam ser cambiadas por dinheiro, o que não se verifica no caso em apreço, como facilmente resulta da matéria de facto provada. Relativamente ao tema do jogo, deverá a máquina desenvolver um tema próprio dos jogos de fortuna ou azar ou seja, deverá corresponder a um ato de jogar, tal como o definimos anteriormente. Como se pode constatar, através da descrição constante do relatório pericial de fls. 83 a 85, mediante a introdução de uma moeda de €0,50, €1,00 ou €2,00, é disparado automaticamente um ponto luminoso no painel frontal, que percorre num movimento circular, uniformemente desacelerado, os vários orifícios existentes no mostrador, iluminando-os à sua passagem. De seguida, e sem qualquer interferência do jogador, o ponto luminoso vai perdendo gradualmente velocidade, até parar, fixando-se aleatoriamente num dos orifícios mencionados. Se esse ponto corresponder a um dos orifícios identificados pelos números 1, 50, 2, 100, 5, 20, 200 e 10, o jogador ganha a quantia correspondente à conversão de cada ponto por € 1,00; se parar num dos restantes orifícios, o jogador não tem direito a qualquer prémio. Pela presente descrição se conclui que o jogo desenvolvido pela máquina não corresponde a qualquer dos temas próprios dos jogos de fortuna ou azar, sendo antes uma modalidade afim destes jogos. Aliás e para sermos mais impressivos, podemos afirmar que este tipo de máquinas não tem qualquer correspondência com nenhuma existente nos casinos, antes pelo contrário. A intenção do legislador, passa pelo entendimento de se considerar que os jogos que dependem essencialmente do acaso e da sorte do jogador, são aqueles em que este não tem qualquer possibilidade de influenciar ou condicionar o resultado do respetivo jogo. Poder-se-á definir um jogo de fortuna ou azar como aquele em que o domínio de um evento desencadeado ou induzido pela ação humana escapa à capacidade de controle e de previsão muito provável de que a uma causa sucede um determinado efeito desde que cumpridos e induzidos factores certos e conjugados. Isto é, a uma causa objetivamente estruturada com factores e elementos pré-determinados e empiristicamente testados não se segue necessária e inevitavelmente o efeito pretendido e motivado. A concetualização bipolar utilizada pelo legislador, fortuna ou azar, colhe o seu fio identificador e a argamassa uniformizadora dos conceitos na definição de acaso. Afinal tanto para a fortuna como para o azar experienciados na álea do jogo intervém o factor acaso ou uma probabilidade indeterminada e não controlada da parte de quem introduz o elemento desencadeador, no caso das máquinas utilizados neste tipo de jogos, uma moeda ou peça equivalente.
Também neste sentido o Ac. TRP de 14/07/1999, P. 9910385, Ac. TRL de 14/03/2000 citado no Ac. TRP de 29/10/2008, P. 0842889, Ac. TRC de 26/3/14, Ac. TRP de 9/7/2014, disponíveis em www.dgsi.pt.
Em suma, porque os jogos em causa nos autos não merecem a qualificação de jogo de fortuna ou azar e apenas de modalidade afim, a conduta provada nos autos não integra a prática do crime de exploração ilícita de jogo por que o arguido foi condenado e apenas seria susceptível de integrar a contra-ordenação prevista nos artigos 161° e 163° da Lei do Jogo. Assim, e pelas razoes expostas, estando na presença de modalidade afins de jogo de fortuna ou azar o arguido apenas pode ser punido a título de contra-ordenação, contra-ordenação de que o tribunal tem competência para conhecer à luz do disposto no art.° 38° do RGCOC.
Dispõe o art.° 163° que constituem contra-ordenações puníveis com coima de EUR. 249.39 a EUR.2.493,98 as violações ao disposto no art.° 160° a 162°:
Art.° 161° - Não é permitida a exploração de qualquer modalidade afim do jogo de fortuna ou azar e outras formas de jogo referidas no artigo 159.° por entidades com fins lucrativos, salvo os concursos de conhecimentos, passatempos ou outros, organizados por jornais, revistas, emissoras de rádio ou de televisão, e os concursos publicitários de promoção de bens ou serviços.
No caso o arguido explorava duas máquinas que continha modalidades afins de jogos de fortuna ou azar.
Dispõe o artigo 18° do RGCOC que a determinação da medida da coima faz-se em função da gravidade da contra-ordenação, da culpa, da situação económica do agente e do benefício económico que este retirou da prática da contra-ordenação.
Ora, face ao atrás exposto, atento o facto de se ter apurado benefício económico obtido pelo arguido em função da prática da contra-ordenação e em face da ausência de antecedentes criminais do arguido, tratar-se apenas de duas máquinas e a sua situação económica entende-se adequado e proporcional fixar a coima em EUR.500,00 (quinhentos euros).
DISPOSITIVO
Pelo exposto e decidindo, o Tribunal julga a acusação deduzida pelo Ministério Público contra o arguido L..., parcialmente procedente por parcialmente provada e consequentemente:
a. Absolve o arguido da prática do crime de exploração ilícita de jogo, p.p. pelo art.° 108° do Decreto-Lei n° 422/89 de 19/01, com a redacção introduzida pelo Decreto-Lei n° 10/95 de 19/01, com referência aos artigos 4°/1 al. g) do mesmo diploma legal, que lhe era imputado.
b. Condena o arguido pela prática da contra-ordenação p.p. pelos artigos 161° e 163° do Decreto-Lei n.° 422/89 de 19/01 na coima de EUR. 500,00 (quinhentos euros).
c. Declara perdidos a favor do estado a máquina e o dinheiro apreendidos nos autos.- Art.° 109°/1 e 2 do Código Penal e 116° e 117° da Lei do Jogo;
(...)
V - Cumpre decidir.
1. O âmbito do recurso é delimitado pelas conclusões do recorrente (cf., entre outros, os Acs. do STJ de 16.11.95, de 31.01.96 e de 24.03.99, respectivamente, nos BMJ 451° - 279 e 453° - 338, e na CJ (Acs. do STJ), Ano VII, Tomo I, pág. 247, e cfr. ainda, arts. 403° e 412°, n° 1, do CPP).
2. O recurso será julgado em conferência, atento o disposto no art.° 419.° n.° 3 alínea c) do C.P.Penal.
3. O Ministério Publico no seu recurso restrito a matéria de direito, pediu a condenação do arguido pela prática do crime de exploração ilícita de jogo, p. e p. pelo art.° 108° do Decreto-Lei n° 422/89 de 19/01, com a redacção introduzida pelo Decreto-Lei n° 10/95 de 19/01, com referência aos artigos 4°/1 al. g) do mesmo diploma legal, que lhe era imputado.
4. Da qualificação jurídico-penal.
No recurso interposto está apenas em causa a qualificação jurídico-penal dos factos dados como provados e pena correspondente.
Dispõe o art° 108.° n° 1 que Quem, por qualquer forma, fizer a exploração de jogos de fortuna ou azar fora dos locais legalmente autorizados será punido com prisão até dois e multa até 200 dias.
Dispõe por sua vez o n° 2 que será punido com a pena prevista no número anterior quem .for encarregado da direcção do jogo, mesmo que não a exerça habitualmente, bem como os administradores, directores, gerentes, empregados e agentes da entidade explorador .
De acordo com o artigo 1.° Jogos de fortuna ou azar são aqueles cujo resultado é contingente por assentar exclusiva ou fundamentalmente na sorte .
São elementos constitutivos do crime de exploração de jogo ilícito:
a) a exploração de jogo de fortuna ou azar;
b) fora dos locais a essa exploração legalmente destinados;
c) tendo o agente consciência que tal tipo de jogo é de fortuna ou azar e que a sua conduta é vedada por lei.
A tutela penal adstrita à proibição dos jogos de fortuna ou azar fora dos locais autorizados encontra fundamento em valores de relevante ressonância ético-social, nomeadamente pelos efeitos devastadores a nível social, familiar, económico e laborai, com incremento de criminalidade grave, não só de carácter patrimonial, mas também de carácter pessoal (vida, integridade física, ameaça, coacção) que a dependência de jogos de grande poder aditivo e potenciação de descontrole pode acarretar.
É evidente que a máquina em causa enquadra a previsão do disposto no art.° 4°, n° 1, alínea g), do Decreto-lei n.° 422/89, de 2.12, com as alterações dadas pelo Decreto-lei n.° 10/95, de 19.01.
Determina o art.° 4°, n.° 1, do Decreto-Lei n.° 422/89, de 2 de Dezembro, a título exemplificativo, e começando por indicar qual o local onde os jogos de fortuna ou azar são autorizados, a saber, nos casinos, que, quanto aos jogos em máquinas, existem:
«f) Jogos em máquinas pagando directamente prémios em fichas ou moedas;
g) Jogos em máquinas que, não pagando directamente prémios em fichas ou moedas, desenvolvam temas próprios dos jogos de fortuna ou azar ou apresentem como resultado pontuações dependentes exclusiva ou fundamentalmente da sorte.»
No que respeita às modalidades afins dos jogos de fortuna ou azar, define-as, o art.° 159°, n.° 1, como sendo «as operações oferecidas ao público em que a esperança de ganho reside conjuntamente na sorte e perícia do jogador, ou sómente na sorte, e que atribuem como prémios coisas com valor económico».
Também, nesta vertente, o legislador explicita a elencagem exemplificativa das modalidades afins, no n.° 2, deste preceito normativo, considerando as rifas, tômbolas, sorteios, concursos de conhecimentos e passatempos.
O critério da distinção entre o tipo de ilícito penal e contra ordenacional assenta em crivo material - que parte das categorias legais, e teleológico - ligado à protecção do bem jurídico que assume relevante valor com ressonância ético-social, v.g. os efeitos perversos na dinâmica familiar, social e laborai, repercutindo-se na criminalidade grave e potenciador de adição psicológica, exigindo a constituição do tipo legal de crime, por contraponto à menor ressonância, reflexo do menor valor dos quantitativos em jogo e das limitadas expectativas criadas, nas modalidades afins.
A máquina em apreço nos autos diverge das que foram objecto de apreciação e estiveram na origem da jurisprudência fixada no Acórdão Uniformizador pelo STJ.
Como decidiu, entretanto, o Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça, 3ª Secção, de 27 de Outubro de 2010, disponível em www.dgsi.pt:
«O jogo da máquina dos presentes autos (com a designação Decoratives Marbles), não tem as características da máquina a que se reportou o supra referido AFJ, o qual apreciou a situação de máquinas de jogo expostas ao público em cafés, sem autorização da DGJ, máquinas para serem utilizadas pelos frequentadores de tais cafés, nas quais o jogador introduz moeda no manípulo fazendo sair, de forma aleatória, cápsula contendo senhas, ficando o jogador na expectativa de receber um prémio em dinheiro, ou em coisas com valor económico, caso as senhas contidas no interior da cápsula uma, ou mais, tenha escrito um número que seja coincidente com outro inscrito no cartaz, não pagando tais máquinas, directamente, fichas ou moedas.
- No caso em apreciação, a máquina examinada desenvolve jogos em tudo semelhantes ao modo de operação típico do jogo da roleta, de fortuna e azar, cuja exploração só pode ser realizada em casinos. O jogador só tem intervenção activa no início do jogo quando coloca a moeda na máquina, não podendo através da sua perícia influenciar o resultado, que fica exclusivamente dependente da sorte ou do acaso, podendo auferir uma vantagem patrimonial de valor variável ou nem sequer auferir qualquer prémio. A mesma máquina não desenvolve tema de espécie de rifa ou tômbola, independentemente de ser mecânica ou eléctrica.
- O jogo na referida máquina apresenta como resultado pontuações dependentes exclusiva ou fundamentalmente da sorte, que se premiadas traduzem-se as mesmas em dinheiro. Por isso, o jogo da máquina no presente caso, é jogo de fortuna ou azar, estando aliás em conformidade com a interpretação legal veiculada no referido AFJ sobre a definição de jogo de fortuna ou azar». (...)
A exploração e a prática dos jogos de fortuna ou azar só é permitida nos casinos existentes em zonas de jogo permanente ou temporariamente criadas por Decreto Lei, ou fora daqueles, nos casos excepcionados nos arts° 6° a 8° do mencionado diploma ( art.° 3° n° 1 do DL 422/89 de 2/12 na redacção introduzida pelo DL 10/95 de 19/01).
Temos assim que o legislador quis que as máquinas cujos jogos tenham resultados dependentes essencialmente do acaso tenham o seu uso confinado às zonas de jogo autorizado e que os jogos proporcionados pelas mesmas sejam considerados de fortuna ou azar quer paguem ou não directamente prémios em dinheiro ou fichas.
Com é por todos sabido, com a redacção do art.° 159° n.° 1, introduzida pelo Dec. Lei n° 10/95, de 19/1, alterou-se o cerne da distinção entre o conceito de jogo de fortuna ou azar e modalidade afim, porquanto, também o ganho deste podia, agora, residir conjuntamente na sorte e perícia do jogador, ou somente na sorte . Ou seja, agora, tanto no jogo de fortuna ou azar como na modalidade afim, a contingência do resultado podia derivar apenas da sorte, o que trouxe algumas dificuldades práticas na definição e delimitação do jogo de fortuna ou azar.
Acompanhando a conclusão plasmada no douto Acórdão da Relação de Lisboa de 26/10/95 e que vai ao encontro da posição agora expressa no Acórdão do STJ n° 4/2010, a distinção entre os dois conceitos - jogo de fortuna ou azar/modalidade afim - há-de partir das próprias categorias legais, ou seja, da definição da lei: devem ser considerados jogos de fortuna ou azar apenas aqueles cuja exploração nos termos dos art.° 1 e 4° da actual redacção do Dec. Lei n° 422/89, de 2/12, é autorizada nos casinos.
Assim, todas as modalidades de jogo que não correspondam às características descritas e especificadas nos referidos artigos 1° e 4° daquele diploma legal, embora os seus resultados dependam exclusiva ou fundamentalmente da sorte, revertem para as modalidades afins.
No caso das máquinas de jogos, só são de considerar como jogos de fortuna ou azar:
. os jogos em máquinas pagando directamente prémios em fichas ou moedas;
. os jogos em máquinas que, não pagando directamente prémios em fichas ou moedas, desenvolvem temas próprios dos jogos de fortuna ou azar ou apresentem como resultado pontuações dependentes exclusiva ou fundamentalmente da sorte.
Como já referimos, pretende o legislador acautelar os efeitos devastadores que certos jogos potenciam pelo seu poder aditivo no jogador, por isso, aqueles onde a expectativa de ganho é limitada ao prémio predefinido, por não haver este risco são considerados jogos de modalidades afins.
Como consta do auto de exame e conclusão da ASAE (vd fls27):
Relativamente à máquina em análise (máquina 1), foi possível apurar que, os pontos ganhos, durante o desenvolvimento da operação - jogo - referido em epígrafe e que, dos tais, o jogador não pretenda investir, serão ser convertidos em qualquer outro tipo de prémio, convencionado pelo explorador, nomeadamente monetário.
De igual modo e, de forma a acrescentar, tal configuração do mostrador do equipamento - mostrador circular, com menção a números que identificam prémios - é, em tudo semelhante, com a mesma ratio, ao jogo, denominado roleta, praticado em casinos, existindo inclusive já, em formato eletrónico;
Face ao exposto, o material examinado serve para a prática de um jogo de fortuna ou azar, atendendo aos factos que:
a) O jogador aposta uma quantia em dinheiro;
b) O jogador possui uma expectativa da imobilização de um ponto luminoso num dos orifícios destacados - neste auto, nomeadamente, descritos como primários - com legendas e que são premiáveis;
c) O resultado de tal ação do jogador é contingente, isto porque, tal imobilização do ponto luminoso depende única e exclusivamente da sorte;
Tal situação é pois, enquadrável na definição do art. 1 °, do Decreto-lei n.° 422/89, de 2 de Dezembro e que, de acordo com o seu art. 3°, n. ° 1 só poderá ser praticado nas zonas de jogo dos casinos existentes;
Relativamente ao equipamento em análise - a maquina 1- , enquadra-se na alínea g) do n°. 1 do artigo 4° do citado diploma, uma vez que, é um equipamento que, não pagando diretamente prémios em fichas ou moedas, desenvolve um tema próprio dos jogos de fortuna ou azar e que apresente como resultado pontuações dependentes exclusivamente da sorte.
A exploração de jogos de fortuna ou azar e a exposição e divulgação de material de jogo só é permitida em casinos e em salas de jogo devidamente autorizadas, integrando os factos a previsão dos artigos 1°, 3° e 4°, n° 1, alínea g) e consubstanciam ilícito criminal p. e p. pelo artigo 108° e 115°, todos do Decreto-Lei n° 422/89, de 2 de Dezembro, com as alterações do Decreto-Lei n° 10195, de 19 de Janeiro, Decreto-Lei n.° 4012005 de 17 de Fevereiro, Lei n° 64-A/2008 de 31 de Dezembro e republicado pelo Decreto-Lei n.° 114/2011 de 30 de Novembro.
Ora, analisando o tipo de jogo, considerando os factos dados como provados, e ainda o teor do exame pericial junto aos autos, facilmente se constata que os mesmos funcionam como um jogo reservado aos Casinos, conforme ressalta do disposto no art. 4°, n.° 1, al. g) do DL 422/89, de 2 de Dezembro.
Acresce que, o tipo de máquina apreendida nos autos não pode ser considerado idêntico ao das máquinas de jogo mencionadas no Acórdão de Fixação de Jurisprudência do STJ, n.° 4/2010, de 8 de Março publicado do D.R., I.a Série, de S de Março de 2010, que fixou: Constitui modalidade afim, e não jogo de fortuna ou azar nos termos dos arts 159. 0, n. ° 1, 161.° 162.° e 163° do Decreto-lei n. ° 422/89, de 2 de Dezembro na redacção do Decreto-Lei n. ° 10/95, de 19 de janeiro, o jogo desenvolvido em máquina automática na qual o jogador introduz uma moeda e, rodando o manípulo, faz sair de forma aleatória uma cápsula contendo uma senha que dá direito a um prémio pecuniário, no caso de o número nela inscrito coincidir com algum dos números constantes de um cartaz exposto ao público.
A máquina apreendida nestes autos não possui qualquer cartaz e não desenvolve jogo nos moldes constantes do Acórdão de Uniformização de Jurisprudência, pelo que, salvo melhor opinião, não poderá este ser aqui aplicável.
Certamente se admitirá que quem usa estas máquinas não irá gastar uma pequena fortuna nas mesmas, como recorrentemente ocorre em casino.
Mas não é menos certo que a existência dessas máquinas, pelo vício que desenvolvem nos seus jogadores, que estão, no caso, totalmente dependentes da fortuna ou azar, impõem a quem legisla e fiscaliza especiais atenções, porquanto não há jogador (maior ou menor de idade) que se limite a gastar nas mesmas.
É certo que na mesma foi apreendida pequena quantia monetária.
No entanto, não se apurou quando foram feitas as últimas recolhas dos valores nela existentes o que a ter ocorrido há pouco tempo, poderá justificar a razão pela qual tinham apenas essas pequenas quantias armazenadas.
Assim sendo e neste particular, entende-se que também não andou bem a Sra Juiz do Tribunal a quo ao não qualificar a máquina em causa Spin Dreams como sendo de fortuna ou azar, concordando-se porém no que tange à qualificação jurídica da máquina O Mágico. idas alegações de recurso do it¡1.P.).
No dia 20 de abril de 2016, cerca das 14H00, no Bar do Centro Cultural e Desportivo do P..., sito na R..., n.° 2, em P... - Corroios, à data explorado pelo arguido L..., foram apreendidas duas máquinas de jogo, uma delas que pode integrar a prática de um crime de exploração ilícita de jogo, p e p. nos termos do n.° 1, do art. 108°, do D.L. n.° 422/89 de 2 de dezembro, atento o preceituado nos art.s 1° a 4°, do mesmo diploma legal, e a outra, vulgarmente denominada de extratora de cápsulas, que pode integrar uma contraordenação de exploração de modalidade afim de jogo de fortuna ou azar, por entidade com fins lucrativos, p. e p. pelo art. 163°, n. ° 1, por referência ao art. 161 °, n.° 1, ambos do referido decreto-lei.
Pese embora a natureza diversa das aludidas máquinas, entendemos que se trata de uma detenção simultânea de duas máquinas de jogo pelo mesmo agente, que traduz uma única resolução criminosa.
Assim sendo, tal conduta é suscetível de um único juízo de censura e os factos integram o crime de exploração ilícita de jogo como ilícito mais crave, relevando os factos relativos à contraordenação para efeitos de determinação da pena. (da posição do M.P. na 1.a Instância, que se susbcreve).
Os factos constantes descritos na acusação do M.P. consubstanciam assim a prática pelo arguido de um crime de exploração ilícita de jogo, p. e p. nos termos do n.° 1, do art. 108°, do D.L. n.° 422/89 de 2 de Dezembro (com as alterações introduzidas pelo D.L.° n.° 10/95 de 19 de Janeiro e pelo D.L. n.° 40/2005, de 17 de Fevereiro), atento o preceituado nos art.°s 1° a 4°, do mesmo diploma legal, em concurso aparente, por consunção, com uma contra-ordenação de exploração de modalidade afim de jogo de fortuna ou azar, por entidade com fins lucrativos, p. e p. pelo art. 163° n.° 1, por referência ao art. 161°, n.° 1, ambos do referido decreto-lei.
5. Da medida da pena.
A moldura penal abstracta prevista para o crime praticado pelo arguido é de prisão até dois anos e multa até 200 dias - cfr. artigo 108°, n° 1, do Decreto-Lei n° 422/89, de 2 de Dezembro.
Relativamente à medida da pena, atente-se naquilo que a esse respeito se refere no Ac. do S.T.J. de 6/05/1998 in B.M.J. n°477, p.100:
1 - Sendo a culpa, o juízo de censura dirigido ao agente pela conduta que livremente assumiu, na definição da medida da pena cumpre ter presente que não há pena sem culpa e que a medida da pena não pode ultrapassar a da culpa.
2 - As exigências da prevenção geral, considerada esta como prevenção positiva ou de integração, definem o limite mínimo da medida concreta da pena.
3 - A prevenção especial, no sentido positivo de reintegração do agente na sociedade determina a fixação da medida concreta da pena num quantum situado entre o limite mínimo exigido pela prevenção geral e o máximo ainda adequado à culpa .
Tendo o arguido praticado facto típico, ilícito e culposo e não se encontrando reunidos os pressupostos da dispensa de pena, impõe-se a aplicação de pena, como consequência jurídica da prática do crime.
O artigo 71.° do Código Penal, no seu número 1, estabelece que A determinação da medida da pena, dentro dos limites definidos por lei é feita em função da culpa do agente e das exigências de prevenção.
Por seu turno o n° 2 do mesmo normativo legal, estabelece, que: na determinação concreta da pena o tribunal atende a todas as circunstâncias que não fazendo parte do tipo de crime, depuserem a favor do agente ou, contra ele, considerando nomeadamente:
a) O grau de ilicitude do, facto, o modo de execução deste e a gravidade das suas consequências, bem como o grau de violação dos deveres impostos ao agente;
b) A intensidade do dolo ou da negligência;
c) Os sentimentos manifestados no cometimento do crime e os fins ou motivos que o determinaram,
d) As condições pessoais do agente e a sua situação económica,
e) A conduta anterior ao facto e a posterior a este, especialmente quando esta seja destinada a reparar as consequências do crime
j) A falta de preparação para manter uma conduta lícita, manifestada no facto, quando essa falta deva ser censurada através da aplicação da pena.
O arguido explorava um estabelecimento comercial pelo que é um facto notório pelo que se trata de pessoa de média condição económica e social.
O arguido vive com a mulher e filhos de 18 e 20 anos; despende EUR. 100,00 mensais em propinas universitárias; ganha EUR. 700,00 e a mulher EUR. 500,00; despendem EUR. 500,00 com renda da habitação .
O arguido não tem antecedentes criminais.
Pese embora a natureza diversa das aludidas máquinas, trata-se de uma detenção simultânea de duas máquinas de jogo pelo mesmo agente, que traduz uma única resolução criminosa.
Assim sendo, tal conduta é suscetível de um único juízo de censura e os factos integram o crime de exploracão ilícita de jogo como ilícito mais grave, relevando os factos relativos à contraordenação para efeitos de determinação da pena.
In casu, as exigências de prevenção geral são elevadas atenta a danosidade social que representa a disseminação de jogos de fortuna ou azar à margem da regulamentação legal existente, que normalmente possibilita o enriquecimento indevido (e ilícito) de quem os explora, à custa do património de quem a eles acede.
Ao que acresce, atento o modo de funcionamento de tais jogos, que a obtenção dos ganhos prometidos se acaba por revelar extremamente difícil, ou mesmo impossível de obter, sendo certo que os respectivos equipamentos se encontram normalmente em locais públicos, sendo, por isso, de fácil acesso a qualquer pessoa.
Já no que concerne às exigências de prevenção especial, as mesmas apresentam-se mais reduzidas, já que o jogo explorado pelo arguido não lhe permitiria obter ganhos de elevados montantes, sendo certo que a mesma se apresenta profissional, familiar e socialmente inserida.
Importa considerar o dolo directo da actuação do arguido e o grau mediano de ilicitude dos factos, por estarmos apenas perante duas máquinas e se desconhecer o período de tempo de funcionamento da mesma no estabelecimento.
As exigências de prevenção geral são muito elevadas face ao número de situações que se tem verificado.
No caso concreto, optar-se-á a final, e em substituição, pela aplicação de pena não privativa da liberdade em detrimento de pena de prisão, pois face à conduta do arguido a mencionada sanção satisfaz de forma adequada e suficiente as necessidades de prevenção geral e especial bem como as finalidades da punição - vd. art.° 70.° do C.Penal.
O montante diário da pena de multa deve ser fixado em termos de constituir um sacrifício real para o condenado por forma a fazê-lo sentir esse juízo de censura e dessa forma assegurar a função preventiva que qualquer pena envolve, sem que, naturalmente, deixe de assegurar ao condenado um mínimo de rendimentos para que possa fazer face às suas despesas e do seu agregado familiar ( cfr, Acórdão da RC de 17/04/02, CJ, XXVII, tomo II, 57).
Quanto ao quantitativo de tais penas de multa, atendendo à situação económica e financeira do arguido e aos encargos que suporta - cfr. artigo 47°, n° 2, do C. Penal - julga-se adequado fixar tal quantitativo em €5,00 (cinco euros) diários, correspondente ao mínimo legalmente previsto para o efeito, nomeadamente tendo em conta que aquela situação julga-se não justificar a fixação de um quantitativo de medida superior.
Partindo da factualidade apurada, à ausência de confissão e arrependimento, o grau de ilicitude dos factos, a intensidade do dolo do agente, o grau de violação dos deveres impostos, as consequências relevantes da conduta, a ausência de antecedentes criminais, sua situação pessoal bem como as exigências de prevenção geral e especial, este Tribunal decide (vd. art.°s 71.° e 43.°, ambos do C.Penal) aplicar a pena de 5 (cinco) meses de prisão, substituída por igual número de dias de multa, ao abrigo do disposto no art° 43.° n° 1 do Cód. Penal e, ainda numa pena de 50 (cinquenta) dias de multa.
Tendo-se decidido aplicar ao arguido a pena de 50 dias de multa e de 5 meses de prisão, substituída esta por 150 dias de multa, nos termos do artigo 43°, n° 2 do C. Penal e 6°, n° 1, do Decreto-Lei n° 48/95, de 15 de Março, cumpre proceder à soma das aludidas penas de multa, razão pela qual se condena o arguido na pena única de 200 (duzentos) dias de multa, à taxa diária de 5,00 C (cinco euros), o que perfaz a multa global de 1. 000,00 @ (mil euros).
Mantem-se a declaração de perdimento a favor do estado a máquina e o dinheiro apreendidos nos autos.- Art.° 109°/1 e 2 do Código Penal e 116° e 117° da Lei do Jogo;
VI - Termos em que, concedendo provimento ao recurso interposto pelo Ministério Público, se condena o arguido L..., como autor material de um crime de prática ilícita de jogo, p. e p. pelas disposições conjugadas dos artigos 1°, 3°, 4° e 108°, todos do Decreto-Lei n° 422/89 de 02/12, com a redacção dada pelo Decreto-Lei n° 10/95, de 19/01, Lei n° 28/2004, de 16/07, Decreto-Lei n° 40/2005, de 17/02 (subsequentemente alterado pela Lei n° 64-A/2008, de 31/12), na pena de 50 (cinquenta) dias de multa e 5 (cinco) meses de prisáo, substituída esta última por 150 (cento e cinquenta) dias de multa, ambas à taxa diária de € 5,00 (cinco euros), o que, efectuada a soma das penas de multa parcelares, se condena o arguido na pena única de 200 (duzentos) dias de multa, à taxa diária de € 5,00, num total de € 1.000,00 (mil euros).
Mantém a declaração de perdimento a favor do estado das máquinas e o dinheiro apreendidos nos autos - Art.° 109°/1 e 2 do Código Penal e 116° e 117° da Lei do Jogo.
Custas pelo arguido, sendo de 3UC a taxa de justiça.
(Acórdão elaborado e revisto pelo relator- vd. art.° 94 ° n.° 2 do C.P.Penal)
Lisboa, 12 de Abril de 2018
Fernando Estrela
Calheiros da Gama
   Contactos      Índice      Links      Direitos      Privacidade  Copyright© 2001-2018 Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa