Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa
Actualidade | Jurisprudência | Legislação pesquisa:

:::       Doc. nº 109 Parecer - 19-04-1999
  Abre  janela autónoma para impressão mais amigável Imprimir Início do ficheiro   Recua 1 ficha    Avanca 1 ficha   Fim do ficheiro  
Peça nº 109 - Parecer 19-04-1999
Área temática - Criminal
Espécie - Parecer
Unidade org. - PGD de Lisboa
Processo - 1050/99 - 3ª Sec. Relação de Lisboa
Autor da peça -
Título - Instrução criminal. Nulidade absoluta up nulidade insanável. Decisão instrutória. Competência material. .
Sumário
1- É ao juiz do julgamento - e não ao juiz de instrução - que compete receber ou rejeitar a acusação particular e/ou a acusação pública deduzidas no final do inquérito, mesmo que tendo sido proferido despacho de arquivamento quanto a alguns factos, seja aberta a instrução a requerimento do assistente com vista à comprovação judicial desta decisão de aquivamento;
2- Se realizada a instrução, o Juíz de Instrução vier também a conhecer daquelas acusações, particular e pública, que não faziam parte do objecto da instrução, a decisão instrutória nesta parte proferida padece do vício a que se reporta o art. 119.º, alínea e), do CPP, que constitui nulidade insanável de conhecimento oficioso, por violação das regras de competência material e funcional do Tribunal.
Texto integral
[Inserida em 19-04-1999]  
   Contactos      Índice      Links      Direitos      Privacidade  Copyright© 2001-2014 Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa